O choro cura

O choro cura

Muitas vezes durante o meu maternar me peguei anestesiada. Culpada pela sensação de que eu não curtia os meus filhos o suficiente. De que eu estava passando por aqueles dias tão preciosos apenas existindo, sobrevivendo.

Tomada por uma angustia por não sentir prazer em me entregar a eles. Por não ter energia pra sentar, brincar… por ter dificuldades até pra admirar e sentir aquele amor todo.

Em muitos momentos me senti me afogando dentro de mim. Afogada nos meus sentimentos. Na minha estafa e sobrecarga.

Foi o choro que me libertou.
Entender que haverão dias e dias. Que não preciso e NÃO DEVO ser forte, dar conta de tudo o tempo todo. Que os meus sentimentos e os meus desejos importam e, não, nem sempre vou poder realizá-los por uma questão de prioridade e, sim, posso me sentir frustrada por isso.

Não preciso fingir que tá tudo bem. Nunca. Tudo o que reprimimos, normalmente, vem a tona em algum momento, em geral, no pior momento e com a pessoa que “menos merece”. Quantos gritos meus filhos já ouviram e que, no fundo, não era pra eles? Quanta falta de atenção eles já suportaram porque eu estava tão consumida que não tinha nada pra oferecer? Quantos choros deles eu já tentei calar porque eu me cobrava suportar?

Chorar liberta, limpa a alma, extravasa a dor. O choro cura!

Não tenha medo de chorar, de sentir os seus sentimentos. Não tenha vergonha de se olhar, de ver as suas fragilidades e suas carências.

Quem cuida também precisa ser cuidado. Os outros precisam de você mas, VOCÊ PRECISA DE VOCÊ! Se permita. Não se anule nem se deixe pra depois. Vocês não merecem isso.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.